Em 15 de setembro de 2020 foi lançada oficialmente a Temporada 10 da Adventurer’s League, Plague of the Ancients com a campanha Rime of the Frostmaiden (Sob o frio da Dama Invernal) acontecendo no Vale do Vento Gélido (Icewind Dale). Alguns materiais ainda se encontram em construção pela organização internacional, e estamos aguardando ansiosamente pelo guia da campanha Histórica – a ordem no momento para quem tem personagens nessa campanha seguir o guia da temporada 9 (Baldur’s Gate – Descent into Avernus). Segue os links:

Temporada Histórica (em inglês):
Guia do Jogador
Guia do Mestre
FAQ
Catálogo de Conteúdo
DM Rewards

Temporada Atual:
Kit com Guia do Jogador, FAQ e fichas traduzidas – em português
Guia do Mestre – em inglês, link para o Discord oficial de D&D
Catálogo de Conteúdo – em inglês

Para ambientação, traduzido do blog da Adventurers League internacional (Site fora do ar, sendo internalizado ao site da wizards):

“Cuidado com a beirada, Steffil,” grita o mestre de caravanas, Polstin, já o vento uiva tão alto que é difícil se se fazer ouvir, “Aí tem um precipício à sua direita; o Lord Ferran vai querer minha cabeça se a entrega não chegar a Eastheaven. As duas últimas entregas não foram feitas esse ano; não pretendo que essa seja a terceira!” 

Já faz um decênio desde que deixaram Luskan e a trilha sinuosa pela Espinha do Mundo se tornou mais e mais perigosa com o passar das horas. O clima extra-sazonal têm se tornado um problema para caravanas atravessarem as montanhas tarde do dia; mais e mais caravanas seguem para o Vale do Vento Gélido cada vez mais cedo para evitar os mortais ventos gelados.

Não podemos dizer que foram bem sucedidos; já que deslizaram e rolaram pela trilha coberta de neve, a carruagem de Steffil se arrastou pelas ruínas das caravanas que não conseguiram terminar a passagem. Eixos quebrados, rodas estilhaçadas, cadáveres de cavalos – não precisava de muito para parar uma carruagem aqui. Na maioria das vezes, o carregamento era eventualmente recuperado, mas não as carruagens – e em alguns casos, os motoristas e a tripulação – eram deixados para trás.

Alguns deles ainda eram visíveis; não foram completamente cobertos pela neve. Geralmente empilhados uns nos outros ou enfiados em baixo de grandes rochas partidas ou até mesmo debaixo de suas próprias carruagens; congelados em um findo e fútil esforço de evitar a fúria de Auril. Agora, eles servem como marcações – avisos para outros estarem atentos. Alguns deles tem nomes: Pequena Irmã e Pequeno Irmão (um par de crianças que parecem tão tranquilos que parecem  que apenas pararam para o descanso da tarde), Pé-Preto (um homem que, por alguma razão, achou um motivo para tirar as grossas botas de couro que segurava junto ao seu peito), e os Amantes – esses últimos denominados pelo abraço mútuo travado pela eternidade (a não ser que Auril escolha os libertar).

Tão angustiante e terrível como as visões ali, Steffil estava extasiado pelas fitas de luz que marcavam pelo céu negro acima; ele nunca havia visto um espetáculo tão belo o bastante para fazer esquecer as imagens pútridas da morte por congelamento de sua mente. O vento e a neve persistente param por um momento para dar a ele a visão de Icewind Dale abaixo, sob a cortina de luz verde e azul. Sua carruagem desliza até parar. Ele precisa parar para colocar tudo para dentro.

Ele tira um diário pequeno, amarrado por uma tira de couro do bolso interior de um de seus casacos e desenrola a correia que o mantém fechado. Tira o lápis de dentro e começa a desenhar um rascunho da incrível vista à sua frente.

Ele sente o cheiro e ouve antes de ver. O insólito cheiro de cobre carregado pelo vento, junto com o tilintar de delicados cristais tão agudos que teriam seu lugar num pomposo palácio de um lorde élfico. Mas assim que pode ver sua origem, ele grita desesperadamente…

Três dias depois, a caravana chega em Streffil, Polstin, e os destroços de sua caravana. A destruição e a fúria sangrenta cobrem o cume da trilha. E no meio de tudo uma grande e larga pena branca.

Acima, uma estrela cadente corta o céu eternamente escurecido – riscando uma luz amarela tremulando através do dormente vale abaixo, coberto de neve.

Todas as traduções são baseadas no Guia do Tiferino para traduções Nacionais publicado pelo Joga o D20 na DM’s Guild. Aquelas não encontradas em livros anteriores ou no Guia são traduções livres e não-oficiais.



About Author

Tomoegabi

DM Heralds Guild Blue Shirt, absolutamente apaixonada pelo Lore das Ilhas Moonshae [Altalnia] (Ah, toda essa magia pica!). Me de duas gatinhas, Gamer, Otaku, e Desenvolvedora de Sistemas e Esmagadora de Bugs.